Segunda a Sábado: 7:30 às 22h Domingo: 8 às 12h e 18 às 22h Fixo: +55 75 3334 1410 | Vivo e Whatsapp: +55 75 99810 0023 | Skype: voltaaoparque

A CHAPADA DIAMANTINA

Patrimônio natural e cultural incalculável

Situada no coração da Bahia, a Chapada Diamantina é reconhecida pelos que por aqui passam como sendo um verdadeiro paraíso. Região montanhosa, de rica hidrografia, fauna e flora, é na Chapada que podem ser encontrados quilômetros de trilhas repletas de atrativos de rara beleza, como altas cachoeiras, poços com águas cristalinas, grutas, além de uma região similar ao Pantanal.

Sua área de aproximadamente 38 mil km² integra o Parque Nacional da Chapada Diamantina (PNCD), com 1 520 km², criado em 1985 pelo IBAMA para fins de preservação e pesquisa, e Áreas de Proteção Ambiental, onde está concentrada a maioria dos atrativos cujo acesso é facilitado fazendo uso de veículos (Mapa – clique aqui).

Em 2009, o Parque Nacional foi a primeira Unidade de Conservação (UC) do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) reconhecida como centro de pesquisa. Vestígios aqui encontrados levaram os pesquisadores a acreditarem que a Chapada Diamantina já tenha sido recoberta por gelo, fundo de mares antigos, habitada por homens pré-históricos e originada há mais de 500 milhões de anos, sendo assim considerada um dos territórios mais antigos do mundo.

Região rica em minerais e com clima tipicamente tropical, a Chapada foi comandada por índios Maracás e começou a ser fortemente invadida por garimpeiros no século XVIII, quando foi descoberto o ouro na região sul, nas proximidades de Rio de Contas pequeno. Logo em seguida, já no século XIX, iniciou-se a extração do diamante e foram formadas as cidades de Mucugê, Andaraí e Lençóis. Desde o início, as trilhas abertas pelos garimpeiros revelaram preciosidades, que hoje podem ser conhecidas através de caminhadas de curta ou longa duração.

Visitar a Chapada Diamantina hoje não é correr atrás somente de aventura. É possível conhecer a região com o conforto proporcionado pelas cidades situadas ao redor do Parque Nacional, como é o caso de Lençóis, que oferece boa infra-estrutura turística.

VEGETAÇÃO: Campos, cerrado, matas e capões nas áreas pedregosas das serras e vales profundos.

FLORA: Riquíssima, com predominância de orquídeas (Orchidaceae), bromélias (Bromeliaceae), cactos, gramíneas rasteiras e sempre-vivas (Eriocaulaceae), sendo algumas endêmicas, além da grande variedade de plantas medicinais.

FAUNA: Espécies oriundas de diferentes ambientes, como felinos (onça-pintada e suçuarana), serpentes (jibóia, sucuri), capivaras, veados, peixes, preás, mocós (roedores semelhantes a preás), cutias, quatis, antas, diversidade de insetos e pássaros. Papa-formiga-do-Sincorá e alguns beija-flores são endêmicos.

CHUVAS: Índices pluviométricas variam entre 750 e 1 000mm anuais, com 4 a 6 meses sem chuvas.

ALTITUDE: Entre 400 a 1 700m.

 

Fonte: Uma adaptação de textos do IBAMA, ICMBio e Guia Philips, Horizonte Geográfico.

As principais cidades da região

História, informações e dicas.